terça-feira, julho 20, 2010

Carrossel


Ao som de Chicas, Ter que esperar

Seco o solo que não sente o molhar de minhas lágrimas, mas é o tempo, perdido, que roda virando mundo, mundo, mundo carrossel. E em uma dessas voltas, eu me volto para o que considero certo e me agarro, resisto ao que temo. E aguardo, manso, um novo girar... Fecho os olhos na direção de um prisma que ofusca minha visão para me confundir e subo-desço sob o balanço, e o vento bate no meu rosto, o tempo passa, sorrateiro, parecendo me escutar... Quero falar sobre as respostas que colhi como folha seca numa alameda de um outono febril, irregular, com cara de inverno numa manhã de julho. Preciso contar ao tempo: não preciso contá-lo mais.

Por Júnior Creed

2 comentários:

Anônimo disse...

Afinal, o que é o tempo, neah?
@neyalexandre

Mateus disse...

amigo, como até na música diz, a gnt só vai rodar, rodar, conviver com os "se isso" ou "se aquilo" de todos os dias, as habituais negativas ou afirmativas desesperadas de quem deseja viver.

não contamos, giramos, esperamos, giramos de novo, esperamos, paramos, giramos. não contamos. mas, são sempre as mesmas dúvidas.

enfim, quem sabe, a vida só quer que a gnt viva?!

abraço!