quinta-feira, junho 24, 2010

Eu.



“São tempos difíceis para os sonhadores...”
( Do filme O Fabuloso Destino de Amélie Poulain )




Foto: Ivan




Amante do silêncio que dialoga com a solidão e curte o ócio "viajar" olhando o teto do quarto: um paraíso onde vivencio meus sonhos e alhures. Este sou eu: mais um amante sonhador que além de respirar, pretende viver. E viver é amar, mas amar sem pejo. Não há como oprimir o suor em nossos poros, assim como não há como viver sem amar. E, se me perguntassem o que eu sou, eu diria: Sou os livros que li e os amores que vivi. Ambos os prazeres que me permito saboreá-los e assim a caminhar com os pés descalços on the road da vida. E ao amar sinto um prazer intenso, alimento meu humanismo e me construo um hedonista. Um humano hedonista...ou vice-versa!


Raphael Marques

4 comentários:

Tâmara disse...

"Não há como oprimir o suor em nossos poros, assim como não há como viver sem amar."

Assim como não há de viver e sentir sem ser humano. Por isso que o homem nunca dará conta de si mesmo se for incapaz de amar.

beijos

Júnior Creed disse...

Rapha, "Amelie Poulain" é um dos meus filmes favoritos... Um dos mtos que me tocaram de maneira exacerbadora, intensamente poético, tal qual seu texto que mais que uma autodescrição é um auto reconhecimento da poesia emanando por todo vc. um abraço!!!

Raphael Pereira disse...

Sim,Júnior,"Amelie" é um grande filme.
E a poesia emana por todos nós.
E que assim seja.
abraços

Raphael Pereira disse...

querida Tâmara será que há seres que sao incapazes de amar?creio que nao se dão conta...mesmo assim,uma lástima.

bjos querida